Archive | março 2013

(A Voz da Editora) As Lendas Urbanas selecionadas!

Pronto, gente, até meia-noite ainda é hoje! Para quem não aguentava mais, aí vai a seleção de “Lendas Urbanas”.

Antes, queria dizer que recusei contos principalmente pelos seguintes problemas:

– Estavam mal escritos

– Não eram sobre lendas urbanas

– Não eram de Terror

Teve dois casos em que os textos estavam bem escritos, tinham uma trama interessante de terror sobre lendas urbanas, mas não eram contos e sim relatos. E outros em que era simplesmente a descrição da história, como se fosse um resumão a ser melhor desenvolvido. Infelizmente não tenho como dar um feedback particular a cada um, então espero que entendam.

Os selecionados para participar da versão impressa e do ebook:

 

Bruno Anselmi Matangrano – O beco dos aflitos

Carlos Eduardo Von Doellinger Manhães – Bandeira 2

Chico Pascoal – Loira

George Amaral – Zambiapunga

Gian Danton – Bom garoto

Paulo F. – O caso Rita

Ricardo Herdy – Fruto Santo proibido

Sid Castro – O beco dos inocentes

Suzy M. Hekamiah – O diário da ilha

Vitor Vitali – Ruído Fantasma

Vivi Maurey – Tudo breu

Zé Wellington – O mestre dos brinquedos

 

Para saírem exclusivamente na versão ebook:

Ana Lúcia Merege – Pobres Bichinhos

Caio Sinned – A passageira

Lucas Rocha – O homem invisível é dono dos teus olhos

Marcel Breton – Abissal

Marcus Achilles – O Velho do Saco

Pablo Amaral Rebello – A casa das almas perdidas

Vinicius Lisboa – Vem, pequenino

 

– Todos os contos terão ebooks individuais, além de estarem presentes na antologia digital. Obrigada a todo mundo que participou. Tive noites de insônia com os contos de vocês.

(A Voz da Editora) Resultado de ‘Lendas Urbanas’ adiado

Peraí, povo. Não se joga desse precipício não! 

Vou explicar!

Mais calmos? Ótimo.

O caso é o seguinte: combinei com meu editor que teríamos 10 contos – o do convidado mais 9 selecionados. Porém, estou aqui, com 20 contos possíveis e não consigo decidir. São cinco incontestes, mas os outros 15 estão no mesmo nível e todos merecem ser publicados.

Estamos então estudando se é possível aumentarmos o número de contos para 13 (sugestão bem legal que recebi aqui no blog) e colocarmos os outros 7 (que é um número cabalístico) em ebooks.

Isso alivia a pressão, mas eu continuo tendo que escolher os contos – e ainda precisamos estudar se é economicamente viável e interessante. Pois ebooks não tem os custos de impressão, mas tem copidesque, revisão, diagramação e capas, além do esforço de divulgação.

Por isso, para vermos se é possível, iremos divulgar o resultado final dia 20 de março. Então, não morram, não se desesperem e não me xinguem. Sou uma pessoa legal.